O tripé de valores da Ética

A ética é um valor e uma forma de pensar e agir que vem gradativamente sofrendo enorme erosão nos tempos contemporâneos.

Vivemos um tempo de intolerância e superexposição de nossas vidas particulares, com o advento das redes sociais e do império da divulgação de momentos felizes e perfeitos, a sociedade enfrenta transformações significativas, que acabam provocando uma diluição dos valores tradicionais que guiavam a convivência social.

A ética é uma forma de amenizar e possibilitar a boa convivência entre as pessoas, pois se formos deixados ao acaso, sem os ensinamentos dos valores familiares, religiosos, sociais e educacionais, nos transformaríamos em maquinas de realização dos nossos próprios desejos e instintos. É a ética e a moral, que fazem esse contraponto, nos mostrando que o caminho do respeito e da tolerância contribuem de forma decisiva e definitiva para a coesão social.

Conforme os estudiosos já proclamaram, não existe sociedade organizada sem o estabelecimento de regras sociais e normas de Direito, pois o Direito, em complemento a ética e a moral, iguala os integrantes do tecido social, fazendo com que as regras valham para todos, sem qualquer tipo de distinção entre os membros daquele grupo.

Uma sociedade demonstra sua maturidade e evolução, quando as regras de Direito, com imposição de penas ao descumprimento de regras, são substituídas e complementadas por educação e respeito ao próximo, sedimentada principalmente em um tripé, que dá perfeita sustentação a forma de agir e conviver com ética.

O tripé é composto por: Respeito, Honestidade e Lealdade.

Respeito ao próximo dentro da individualidade e particularidade dele, entendendo que no seio da sociedade há espaço para todos e para todas as formas de pensar; levando em conta valores positivos e que contribuem para o bem comum.

A questão do respeito ao outro deve levar em conta, principalmente, que o outro tem todo direito de ser como ele é, pensando e agindo como ele entende ser correto. Ressalvando que essa forma não pode ser proibida ou reprovada pela sociedade em que ele está inserido.

Quando há respeito entre os membros da coletividade há uma espiral positiva, deixando claro que o direito de um termina quando começa o do outro.

A honestidade, infelizmente, vem sendo um dos valores mais negligenciados na sociedade contemporânea brasileira, alvo de questionamentos e situações do cotidiano na vida real, onde há inúmeras demonstrações de que o mundo é dos espertos, a honestidade fica em segundo plano. Esse seria um dos pontos principais a ser combatido, principalmente, com a educação através do exemplo.

Envolve mudança de valores, com demonstrações positivas de que ser honesto possibilita uma maior confiança entre os integrantes do grupo, fazendo com que as relações de troca sejam baseadas na honestidade das pessoas, provocando conseqüentemente um enriquecimento do capital social daquele grupo.

O último valor social que integra a tríade da ética é a lealdade, que literalmente significa respeito aos princípios e regras que norteiam a honra e probidade, também está ligada profundamente a fidelidade aos compromissos anteriormente assumidos.

Esses valores reais, individuais e coletivos, que podem ser sentidos e medidos na forma de relacionamento entre os integrantes de uma sociedade, dão o tom da forma de convivência, e indica os valores que norteiam aquele grupo. Sendo claro e notório que quanto maior a pratica dos valores positivos da ética e da moral, mais consistentes, duradouros e baseados na confiança mútua, serão as relações internas do tecido social.

Tendo a educação papel fundamental no processo de mudança, colocando a ética e a moral no alto do pódio, lugar que lhes é devido. A educação, principalmente nos anos iniciais, tem o poder transformador, iniciando o processo espiral positivo, que irá possibilitar a formação de uma consciência de coletividade baseada na cidadania, na ética e no conhecimento.

 

por: Cássio Silveira